Ferramentas úteis para informação sobre a enurese infantil

Quando vemos que o nosso filho, após os 5 anos, tal como os especialistas indicam1, acorda muitos dias molhado e suspeitamos que sofre de enurese, está na altura de consultar o pediatra para que determine se se trata de enurese noturna ou se as fugas podem ser também um sintoma de outras doenças.

Tanto para pediatras como para enfermeiros, existem dados muito importantes que os ajudarão a saber exatamente o que está a acontecer com a criança, a avaliar a extensão e a realizar um diagnóstico correto. Estas são informações que pode ir recolhendo para que os especialistas que irão ajudar o seu filho tenham informações suficientes para lidar com o problema.

Diário miccional:

Trata-se de uma ferramenta muito útil, pois fornece ao pediatra muita informação sobre a situação do seu filho e ajudá-lo-á a estabelecer a melhor estratégia para que deixe de sofrer de fugas noturnas.

O diário miccionalFerramentas úteis para informação sobre a enurese infantil consiste na recolha de informação durante 3 dias, que não têm necessariamente de ser consecutivos, sobre as vezes que a criança urinou, a que horas do dia e o volume das micções, com especial atenção à primeira urina do dia e à última antes de se deitar. Assim, o pediatra será poderá calcular a capacidade vesical funcional diurna o seu filho, dado de grande valor prognóstico1.

É interessante recolher igualmente a informação sobre o tipo de fezes (duras, moles, normais) e possíveis fugas fecais.

 

Calendário miccional:

De características semelhantes ao anterior, mas para controlar quanto molha a cama durante as noites, existe um calendário miccional que ajuda o pediatra a conhecer a atividade miccional noturna.

É uma das ferramentas mais úteis e eficazes para combater a enurese de forma simples. Além disso, envolve diretamente a criança, o que permite um melhor acompanhamento do seu progresso.

No calendário miccional, vai-se desenhando as noites em que acorda seco e aquelas em que acorda molhado e, se o fizer durante, pelo menos, um mês, fornece ao pediatra informações valiosíssimas, pois os especialistas “consideram a enurese noturna a eliminação involuntária de urina, pelo menos, duas noites por mês, após a idade em que se atinge o controlo vesical (4 a 6 anos), na ausência de defeitos congénitos ou adquiridos do sistema urinário” 2, e o calendário miccional fornece exatamente essa informação.

A criança pode envolver-se de uma forma ativa e adequada à sua idade na resolução do problema, desenhando um sol ou uma nuvem, conforme tenha acordado seca ou molhada.

 

História de antecedentes familiares:

Pergunte à sua família, porque a enurese é hereditária!

Segundo um estudo publicado em 2013 pelo Dr. C. Iglesias, da Universidade de Oviedo, “se ambos os pais sofrerem de enurese, 77% das crianças também a terão” 3. Também o grau de parentesco pode afetar a probabilidade de sofrer fugas noturnas.

Em muitas famílias, a enurese é um assunto tabu, mas, quando se pergunta diretamente, é surpreendente descobrir que outro membro da família sofreu ou está atualmente a sofrer com ela. Esta informação, que muitas vezes é mantida oculta por vergonha, é relevante para as pessoas que poderão ajudar o seu filho a ultrapassar o seu problema.

 

Outras informações:

O pediatra/enfermeiro também perguntará sobre outros hábitos do seu filho: a ingestão diária de líquidos; se ocorrem fugas durante o dia; se adota posturas que o fazem reter urina quando, por exemplo, está a brincar e não quer “perder” tempo a ir à casa de banho; como é o seu sono e se a dificuldade em acordar pode provocar uma falha no seu mecanismo perante o estímulo vesical, etc.

Pense em qualquer outro dado que possa ser relevante e escreva-o para não se esquecer de nada.

 

A enurese é uma doença comum e subdiagnosticada. Apesar de a sua prevalência diminuir com a idade por resolução espontânea, esta não ocorre em todos os casos, nem no momento desejado. Para muitas famílias e crianças que continuam a molhar a cama, o impacto económico, social e emocional é significativo” 4. Assim, se o seu filho molhar a cama após os 5 anos, recolha a informação e consulte o seu pediatra.

Todas estas ferramentas (disponíveis no nosso website), permitem o envolvimento da criança e da família no problema e ajudarão a um diagnóstico mais rápido da doença.


Quer mais ferramentas, dicas e recursos para ajudar seu filho a evitar chichi na cama com facilidade e segurança? Não hesite em visitar o nosso site!

Você poderá acessar uma variedade de materiais de apoio para a enurese noturna infantil, como os Cómics Lucas Adventures, os Calendários miccionais ou o Diário miccional disponíveis para você e seu filho.

Ref. 1 https://www.sepeap.org/wp-content/uploads/2014/09/ENURESIS-INFANTIL.pdf. (Último acesso: agosto 2021).

Ref. 2 Butler RJ. Establishment of working definitions in nocturnal enuresis. Arch Dis Child 1991; 66(2):267-71.

Ref. 3 Ref: Fernández Moreno A, et al. Guía para padres: Los trastornos de eliminación. Guía de uso. Servicio de Psiquiatría Infanto-Juvenil y Departamento de Salud Mental del Servicio Murciano de Salud. Diponível em: https://www.murciasalud.es/pagina.php?id=168476 (Último acesso: Setembro 2021).

Ref. 4 M.I. Úbeda Sansanoa, R. Martínez Garcíab. ¿Y si nos consultan porque moja la cama? Rev Pediatr Aten Primaria vol.12 supl.19 Madrid nov. 2010. (Último acesso: agosto 2021).